MODELO PARA PLANEJAMENTO DA REDE REVERSA DE LATAS DE ALUMÍNIO PARA BEBIDAS

Autores

  • Aura Maria Jalal Departamento de Engenharia de Produção da UFSCar Campus Sorocaba
  • Larissa Martins Henrique Departamento de Engenharia de Produção da UFSCar Campus Sorocaba
  • Eli Angela Toso Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.4322/PODes.2017.011

Palavras-chave:

Logística reversa, Planejamento de rede, Modelo de otimização

Resumo

O desempenho da reciclagem de latas de alumínio depende da estrutura da rede de logística reversa, pois a transferência de material dos pontos de geração até as plantas de fundição envolve altos custos de transporte. Uma estratégia para reduzir estes custos consiste em instalar centros de coleta próximos aos locais de descarte para receber, prensar as latas e unitizar a carga. Neste trabalho propomos um modelo de otimização para planejar a rede reversa, que considera decisões de localização e dimensionamento dos centros de coleta, alocação dos pontos de geração aos centros de coleta, e dimensionamento da frota de veículos. Testes usando dados da reciclagem no Brasil mostram que os custos fixos de instalação de centros de coleta são compensados pela redução nos custos de transporte, de fato, a abertura de novos centros de coleta implica em uma redução de 30% do custo total da rede.

Biografia do Autor

Aura Maria Jalal, Departamento de Engenharia de Produção da UFSCar Campus Sorocaba

Aluna de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da UFSCar Campus Sorocaba

Larissa Martins Henrique, Departamento de Engenharia de Produção da UFSCar Campus Sorocaba

Egressa do Curso de Engenharia de Produção - UFSCar Campus Sorocaba

Eli Angela Toso, Universidade Federal de São Carlos

Docente do Departamento de Engenharia de Produção da UFSCar Campus Sorocaba

Downloads

Publicado

22-12-2017

Como Citar

Jalal, A. M., Henrique, L. M., & Toso, E. A. (2017). MODELO PARA PLANEJAMENTO DA REDE REVERSA DE LATAS DE ALUMÍNIO PARA BEBIDAS. Pesquisa Operacional Para O Desenvolvimento, 9(3), 144–161. https://doi.org/10.4322/PODes.2017.011

Edição

Seção

Artigos